Feeds:
Posts
Comentários

Archive for agosto \26\America/Sao_Paulo 2012

Post originalmente publicado em http://osbrasis.wordpress.com/2010/08/17/mentiras-que-convencem/ por ocasião das eleições de 2010. Texto antigo, mensagem ainda atual!

Por Renato Silvestre

Já totalmente imersos nesse clima de chuva de santinhos e da proliferação de possíveis milagres eleitorais, a campanha, agora em rede nacional de rádio e televisão, esquentou de vez. Na busca pelo voto, para muitos, vale tudo, principalmente para aqueles velhos conhecidos de sempre.

Os mesmos jingles, o mesmo versinho chiclete e o pior, as mesmas caras mal lavadas que vemos em cada período eleitoral. Há desde os aventureiros, aos sonhadores sem recursos, até finalmente chegarmos às velhas e toscas raposas felpudas que dominam e controlam o cenário político brasileiro há anos. É sobre esse tipo que quero falar.

A sociedade parece sofrer, tal qual é retratado em Ensaio Sobre a Cegueira, de José Saramago, de uma síndrome coletiva de ausência de um dos seus principais sentidos. Sim, porque, não há outra explicação palpável para olhar e não ver. As velhas marcas e sobrenomes de sempre nada fazem, no entanto, permanecem acampados nos legislativos e executivos do País.

Ver os resultados das pesquisas de intenção de votos tornou-se uma tortura. Não porque X ou Y estejam liderando ou na rabeira do subconsciente da sociedade, mas sim, porque, percebo que o eleitorado, em sua maioria, trata a eleição de modo absurdamente irresponsável. O eleitor olha para os candidatos como marcas de roupas, bebidas ou carros. É preferível votar e ter mais do mesmo, “porque esse eu já conheço”, do que ousar e pesquisar de fato em busca do candidato mais correto e com melhor potencial.

O fato é triste e inegável, grande parte de nós vamos às urnas como verdadeiras vaquinhas de presépio. Os velhos números de sempre, em geral, popularizados por meio de grandes máquinas de arrecadação de verbas por meios no mínimo duvidosos, permanecem e investem a cada dois anos como nunca. E tome campanha que suja as ruas e apesar de oferecer salários, ainda que ridículos, mobiliza uma grande massa não de cabeças pensantes ou militantes na essência da palavra, mas sim, de desesperados por uma chance pequena de conseguir se sustentar durante esse período. Estranho paradigma é esse, não?

Pobre da sociedade que caminha para urna com a sensação dilacerante do voto obrigatório. Quando um programa ou compromisso torna-se chato ou desinteressante resta apenas a sensação torturante de ter que cumprir a tal obrigação. O comprometimento desaparece, os números e as cores de sempre rondam a cabeça e em segundos está feito. Tarde demais, não há volta, nada vai mudar. A fome coletiva está saciada, ainda que seja apenas com a velha marca de pão e com um belo copo de água, de torneira.

 

Read Full Post »

Por Renato Silvestre

Após a quebra de diversos recordes, muita emoção, felicidades e tristezas, a Olimpíada de Londres chega ao fim neste domingo, Dia dos Pais no Brasil.

Belas imagens ficarão para sempre em nossa memória e um dia seremos felizes em poder contar para nossos filhos e netos que pudemos ver em ação atletas tão fantásticos como Usain Bolt, Michael Phelps, Lebron James, irmãos Falcão, os homens e mulheres do nosso vôlei de quadra e de praia e porque não, o nosso time de basquete, comandados sim por um argentino, e que ressuscitaram o prazer do povo brasileiro de ver um jogo bem jogado de basquete pela camisa verde e amarela.

Vi que por estes dias de emoções olímpicas muitos criticaram nossos atletas, tidos até como amarelões por alguns. Na realidade, a participação do Brasil nos jogos, se considerarmos a estrutura ainda frágil e a ausência de patrocínios e investimento no esporte, foi muito boa.

Como um país poderia esperar alcançar o topo do quadro de medalhas se não vê o esporte como filosofia de vida, como formador de pessoas melhores, como base para uma sociedade mais justa. A grande verdade é que no Brasil ser artista ou atleta de alto nível é uma missão para poucos abnegados, que vez ou outra conseguem se sobressair, sempre pelos seus talentos e árduos trabalhos, mas também com uma pitadinha de sorte.

Durante as Olimpíadas ouvi dos jornalistas e especialistas que cobriram o evento informações e opiniões muito interessantes. Veja que nos Estados Unidos, apenas na natação há mais de 120 mil atletas federados, enquanto no Brasil somos cerca de 30 mil, boa parte treinando com poucos recursos. Lembre que os americanos tem no ensino universitário uma base fortíssima de formação, aperfeiçoamento e afirmação de seus esportistas, enquanto por aqui, pouco valorizamos isso. Ouvi também alguém dizer e concordo que a grande diferença é que enquanto aqui firmamos nossas esperanças nas mãos, braços, pernas, pés e mentes de uma pequena elite (atletas em condições de competir em alto nível) esportiva, em outros países esse primeiro pelotão é sempre muito maior que o nosso.

Esporte é muito mais do que o número de medalhas de quatro em quatro anos. Esporte é saúde, é vida, é aprender a perder e ser forte o bastante para se levantar e seguir em frente com hombridade. Mas, se querem resultados invistam na base, na formação, ofereçam estrutura para que atletas campeões e cidadãos melhores floresceram em cada comunidade pobre deste país, em cada esquina, hoje dominada pelo tráfico e pela violência. Pense, por exemplo, o que poderiam ser as feras Esquiva e Yamaguchi Falcão se tivessem tido uma estrutura decente de treinamento desde pequenos.

Nos próximos quatro anos, o Brasil estará no olho do furacão. Todos se voltarão para este lindo e ainda desigual país para aprender um pouco mais sobre nós e ver se somos realmente capazes, não apenas de organizar grandes eventos, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, mas como também, capazes de construir um país mais humano e igualitário, que ofereça condições de crescimento e desenvolvimento para todos.

Só para fechar, digo que cobrar estes esportistas que lutam sozinhos, sem o apelo da grande mídia, por vezes sem patrocínios e que mesmo assim não desistem é uma grande covardia. O problema do Brasil não é e nunca foi psicológico, o problema do Brasil é a ausência de uma política esportiva efetiva e de uma massificação real do esporte!

Read Full Post »